Músicos fazem experiência com a misericórdia de Deus

Canção Nova celebra o Jubileu para os músicos

Elcka Torres
Da Redação

Músicos de todo Brasil viveram neste domingo, dia 28, o Jubileu para os músicos, no Santuário do Pai das Misericórdias, na sede da Comunidade Canção Nova em Cachoeira Paulista (SP).

“O jubileu para músicos nos convoca a viver um momento de graça particular e nós músicos temos aqui no Santuário Pai da Misericórdias esse momento. Os que aqui estão presentes representam os músicos de todo Brasil. Que cada músico católico experimente a partir de agora, e nesse dia em particular, a força da misericórdia do Pai.

Esse jubileu convida a todos a viverem os princípios da misericórdia que o papa nos exortou a viver e a assumir as obras de misericórdia como itinerário de uma vida espiritual.” disse o fundador da Comunidade Coração Fiel, padre Delton.

Juliana de Paula reza na "Porta Santa" no Santuário do Pai da Misericóridia

Juliana de Paula reza na “Porta Santa” no Santuário do Pai das Misericórdias

A missionária e cantora da Comunidade Canção Nova Juliana de Paula, em entrevista ao nosso portal, afirmou que este dia dedicado ao jubileu dos músicos é um sinal da misericórdia de Deus em sua vida. “Para mim, em especial, neste Ano da misericórdia, cada vez que passo pela “Porta Santa”, faço a experiência com a misericórdia do Senhor, que me limpa dos meus pecados.
Hoje, quando passei pela “Porta Santa”, senti Deus me chamando a estar no coração d’Ele, e também colocar o meu ministério aos cuidados do seu Coração misericordioso”, testemunhou Juliana.

Leia também:
:: Papa Francisco abre Porta Santa e dá início ao Ano da Misericórdia
:: Veja as pregações do Acampamento para os músicos, que aconteceu neste final de semana

Vocalista do grupo "Missionários Shalom" Debóra reza na "Porta Santa" no Santuário do Pai da Misericórdia

Vocalista do grupo “Missionários Shalom” Debóra reza na “Porta Santa” no Santuário do Pai das Misericórdias

Débora, vocalista do grupo “Missionários Shalom”, também relatou sua experiência. “Ao entrar no Santuário pela “Porta Santa”, me deparei com o moisaico do filho pródigo que é abraçado pelo Pai e senti como se eu também estivesse no colo do Pai. Me vi constrangida por Deus e pelo Seu amor. Deus está gritando para toda Igreja, para toda humanidade, mas eu entendo que de maneira pessoal, Deus estar gritando comigo: “minha filha sou Eu que saro as suas feridas, sou Eu que coloco o bálsamo da misericórdia em sua vida.”

Já a cantora Eliana Ribeiro, missionária e cantora da Comunidade Canção Nova, aproveitou o ano da misericórdia para atualizar seu encontro com o amor misericordioso do Pai do céu. “Neste ano da misericórdia, atualizo, a cada dia, a experiência de um Deus misericordioso que me visitou e me perdoou quando estava caída na lama e no abismo, antes de viver a minha primeira conversão e continua me visitando e perdoando. É um transbordar da misericórdia, fazer com que essa experiência não fique em mim, mas que outros façam a mesma experiência. Participando deste jubileu dentro do “Ano da Misericórdia”, fui desinstalada e impelida a pedir a Deus que a música não pare em mim, na minha vida, mas transborde, porque Deus nos confiou um povo que precisa dessa misericórdia.”

Os cantores Emanuel Stênio e Jakeline Trevisan rezam na "Porta Santa" no Santuário do Pai da Misericórdia

Os cantores Emanuel Stênio e Jakeline Trevisan rezam na “Porta Santa” no Santuário do Pai das Misericórdias

Emanuel Stênio, missionário e cantor da Comunidade Canção Nova, e responsável pelo ministério de música da Canção Nova, resumiu o jubileu como um tempo de graça. “É um tempo de entregar novamente a Deus a nossa vida, nossa vocação e o dom que Ele nos deu. Eu sou um missionário da Canção Nova, sou convidado a evangelizar e a usar da música como um instrumento de evangelização. Este jubileu é uma grande oportunidade para aprofundar a fé e viver de maneira renovada o meu mistério.” Disse Stênio.

O que é um jubileu?

A Igreja Católica iniciou a tradição do Ano Santo com o Papa Bonifácio VIII em 1300. Ele planejou um jubileu por século. A partir de 1475, para possibilitar que cada geração vivesse pelo menos um Ano Santo, o jubileu ordinário passou a acontecer a cada 25 anos. Um jubileu extraordinário pode ser realizado em ocasião de um acontecimento de particular importância.

A Igreja Católica deu ao jubileu judaico um significado mais espiritual. Consiste em um perdão geral, uma indulgência aberta a todos, e uma possibilidade de renovar a relação com Deus e com o próximo. Assim, o Ano Santo é sempre uma oportunidade para aprofundar a fé e viver com renovado empenho o testemunho cristão.

Veja mais fotos:

 

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

Este conteúdo foi plublicado na(s) categoria(s) Informativos.
↑ topo